Câmara de Setúbal apoia teatros locais em 185 mil euros

Célia David, directora do Teatro de Animação de Setúbal, que receberá um subsídio da autarquia, no valor de 130 mil euros.
Local B Últimas C

Teatro de Animação de Setúbal é o que recebe a maior parcela. No total, 130 mil euros, seguindo-se o Teatro Estúdio Fontenova e o Grupo de Teatro Espelho Mágico

A autarquia aprovou por unanimidade na sessão de câmara da passada quarta-feira, 25, protocolos de cooperação com o Teatro de Animação de Setúbal (TAS), o Teatro Estúdio Fontenova e o GATEM – Grupo de Animação e Teatro Espelho Mágico.

O TAS receberá a maior comparticipação financeira, no valor de 130 mil euros, comprometendo-se a realizar dez espectáculos inseridos nos programas municipais. Segue-se o Teatro Estúdio Fontenova, que contará com o apoio autárquico de 45 mil euros, 19 mil destinados às actividades regulares da companhia e os restantes 26 mil para a organização do Festival Internacional de Teatro de Setúbal – Festa do Teatro, ficando obrigado a participar em seminários organizados pela Câmara de Setúbal, realizar três espectáculos e promover sessões de formação. Finalmente, ao GATEM – Grupo de Animação e Teatro Espelho Mágico será atribuído um subsídio anual de 10 mil euros para a realização de dez espectáculos.

Contudo, a aprovação do regulamento do Concelho Municipal de Desporto de Setúbal foi o assunto que gerou mais debate entre os deputados municipais. O vereador Pedro Pina (CDU) informou que o executivo decidiu criar um órgão consultivo, composto pelas vários representantes da actividade desportiva, eleitos democraticamente pelos seus pares, segundo os termos do regulamento.

O vereador Paulo Lopes (PS) acusou a maioria comunista de apresentar uma proposta de regulamento com “falhas”, no que respeita à ausência de critérios de nomeação dos representantes das associações desportivas e também à natureza da composição do órgão de consulta, que no entender dos socialistas devia contar com membros do poder político. “Parece-nos uma carta em branco, que vai conduzir a que alguns clubes sejam preteridos em relação a outros. Além disso, achamos que para haver combate de ideias e diálogo permanente, é fundamental haver representantes do poder político”.

Pedro Pina argumentou que o “Concelho Municipal de Educação não tem representantes do poder político nem da Assembleia Municipal e funciona bem” e criticou o PS por não ter apresentado “propostas alternativas” em tempo útil. Já Luís Rodrigues (PSD) sugeriu que se acrescentasse ao regulamento que a eleição dos representantes de cada entidade será feita pelos próprios pares das associações desportivas, proposta acolhida por todos os partidos com assento municipal. No final, o regulamento acabou por ser aprovado por unanimidade com a referida correcção.

Na sessão foi ainda aprovada a abertura do concurso público para a exploração do bar do Museu do Trabalho Michel Giacometti e a atribuição de medalhas a 70 bombeiros da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal (CBSS) por concluírem 25 e 10 anos ao serviço da corporação.

Deixe uma resposta