Projecto “Guardiãs do Mar” da Ocean Alive é finalista nos Green Project Awards

PESCADORAS. Projecto visa capacitar pescadoras locais como guias marinhas, sensibilizando a comunidade para a preservação das pradarias marinhas
Local B Sociedade B

Cooperativa cultural para a educação criativa marinha trabalha com pescadoras locais na preservação das pradarias marinhas do Estuário do Sado. Campanha “Mariscar SEM Lixo” é também finalista como exemplo de mobilização

 

A Ocean Alive é finalista dos prémios Green Projects Awards Portugal 2016 no Prémio Inovação Social Green Project Awards – Sociedade Ponto Verde, com o projecto “Capacitar as Guardiãs do Mar: Salvar o Ambiente, Preservar Empregos”.

A cooperativa integra, juntamente com mais sete projectos de várias zonas do país, o Prémio Inovação Social Green Project Awards – Sociedade Ponto Verde, que premeia “soluções criativas e sustentáveis para fazer face às necessidades e desafios” da sociedade.

O projecto “Guardiãs do Mar: Salvar o Ambiente, Preservar Empregos” envolve as pescadoras locais do Estuário do Sado num programa educativo destinado a estudantes e turistas, promove campanhas de sensibilização para boas práticas e a monitorização das pradarias com os cientistas.

Segundo a Ocean Alive, o projecto “responde ao problema da degradação e destruição das pradarias marinhas do estuário do Sado, habitat berçário de vida marinha, e ao seu impacto no declínio da população residente de golfinhos e no desemprego e desvalorização social das mulheres pescadoras”.

A directora executiva e científica da Ocean Alive, Raquel Gaspar, explicou ao DIÁRIO DA REGIÃO que está já em curso uma campanha de sensibilização com o envolvimento de uma pescadora como monitora. Foram também realizados dois tours com uma pescadora, no papel de “guia marinha”, em que participaram 400 crianças e 50 turistas.

O projecto “Capacitar as Guardiãs do Mar: Salvar o Ambiente, Preservar Empregos” aposta no envolvimento da comunidade piscatória, nomeadamente de pescadoras desempregadas, e recupera assim “o seu valor social, criando novas oportunidades profissionais com rendimento financeiro”.

A inclusão social e o elo de ligação estabelecido entre a comunidade científica e piscatória são outros dos atributos que ajudaram a que o projecto fosse considerado finalista do Prémio Inovação Social Green Project Awards – Sociedade Ponto Verde.

O mesmo projecto das “Guardiãs do Mar” venceu o concurso FAZ – Ideias de Origem Portuguesa 2016, da Fundação Calouste Gulbenkian na área do empreendedorismo social.

Nos Green Project Awards Portugal 2016 (GPA), a cooperativa é também finalista na categoria “Iniciativa de Mobilização”, com a campanha de sensibilização e limpeza de praia “Mariscar SEM Lixo”, que tem desenvolvido regularmente desde o ano passado.

“O facto de sermos finalistas em duas categorias é muito bom para uma organização que ainda é recente. Significa que as pessoas reconhecem o valor promissor deste projecto. É um grande alento para podermos continuar”, afirmou Raquel Gaspar.

O Green Project Awards Portugal, cujo júri é presidido por Nuno Lacasta, da Agência Portuguesa do Ambiente, tem um painel de jurados próprio em cada categoria.

O GPA ajuda a reconhecer as boas práticas da sociedade civil, empresas e instituições que levam a cabo projectos promotores do “desenvolvimento sustentável” e do “equilíbrio ambiental, económico e social”.

A iniciativa, da agência de comunicação GCI, em parceria com Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus, foi lançada em 2008 e faz parte de um projecto internacional com ramificações no Brasil e em Cabo Verde.

A cerimónia de entrega de prémios da 9ª edição do Green Project Awards Portugal 2016 será na Fundação de Serralves, no Porto, dia 23 de Janeiro.

Foto: Ocean Alive/D.R.

Deixe uma resposta