Rede de distribuição de água aos agricultores de Santiago do Cacém e Odemira alvo de obras

Local Últimas

Com um investimento total previsto em 3,4 milhões de euros, que mereceu aprovação ao programa comunitário de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020. Só para Santiago do Cacém o montante atinge 1 milhão e 273 mil euros

A rede de distribuição de água aos agricultores de Santiago do Cacém, Odemira e Ourique vai ser alvo de obras de 3,4 milhões de euros, promovidas pela Associação de Regantes e Beneficiários de Campilhas e Alto Sado (ARBCAS), anunciou o município presidido por Álvaro Beijinha.

Até à data, segundo a autarquia de Santiago do Cacém, está “confirmado um financiamento de € 1.273.547,13” para intervenções só neste município: “reabilitação/impermeabilização de canal (troço Monte dos Alhos e canal Fonte Serne); reabilitação da rede de rega secundária – Campilhas/São Domingos (Regadeira 28 e Regadeira 03SD) e reabilitação de pontes/canais – Alto Sado (canal de Alvalade)”.

Em termos globais, são 12 projectos para intervenções nas infra-estruturas já existentes da rede de distribuição de água aos produtores agrícolas dos concelhos de Santiago do Cacém, Odemira e Ourique que foram aprovados no âmbito de candidaturas ao Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020, revelou a ARBCAS.

“Estes 12 projectos equivalem a cerca de 3,4 milhões de euros de investimento e visam melhorar a estrutura de rega de Campilhas e Alto Sado, uma rede de rega com 60 anos, muito antiga, que precisa de ser modernizada e reabilitada para continuar a funcionar durante mais umas décadas”, explicou à agência Lusa Ilídio Martins, director-adjunto da associação.

As obras, que vão beneficiar “entre 60 a 80 produtores agrícolas” numa área de “cerca de 2 500 hectares”, visam “melhorar a funcionalidade” da infra-estrutura existente para “garantir o fornecimento de água aos agricultores durante várias décadas”, acrescentou o dirigente da ARBCAS, fundada em 1953.

Também com vista à “redução de perdas de água” está prevista nos projectos, que devem avançar no final de 2017, a reabilitação de canais, da rede de infra-estruturas primárias e secundárias (captação, transporte e distribuição de água) e de pontes.

“Estas obras vão ser objecto de contratação pública, o que vai demorar alguns meses, e só podemos fazer obras entre Outubro e Abril de cada ano, porque a nossa função é distribuir água”, disse Ilídio Martins.

Além dos 12 projectos aprovados recentemente, financiados pelo PDR2020 e pelo Estado, a ARBCAS, que ao todo tem uma área de abrangência de 8 100 hectares, tem mais quatro candidatados a aguardar aprovação no âmbito do mesmo programa.

“As estruturas de base são muito antigas e precisam de ser renovadas e melhoradas para atingir os objectivos [da associação], que é levar a água ao agricultor e fazer com que ele produza para o país”, concluiu o dirigente da ARBCAS.

DIÁRIO DA REGIÃO com Lusa

Deixe uma resposta