Setubalvoz leva cânticos de Natal à Igreja de Jesus na quarta-feira à noite

Sociedade B

Os mais recentes concertos de reconhecido êxito em Porto Salvo (Oeiras) e Palmela confirmam que “este é um final de ano elogioso” para o coro, nas palavras do presidente Rui Águas, da Associação Setúbal Voz

 

O coro da Associação Setúbal Voz vai levar à cena um concerto na igreja do Convento de Jesus, em Setúbal, esta quarta-feira à noite, às 21h30, com entrada livre. O programa, intitulado “Natal na Cidade”, será interpretado pelos cantores do Setubalvoz, acompanhados pela Sociedade de Instrução Musical de Porto Salvo.

“O Clap your Hands”, de Vaughan Williams, Missa Alemã de Franz Schubert e ainda Missa Brevis, de Jacob de Hann, serão as principais peças em destaque no alinhamento.

Na igreja, vão soar também os cânticos portugueses, eternizados por Fernando Lapa em “Um Natal Português”.

O coro Setubalvoz é orientado pela maestrina Gisela Sequeira. Já a orquestra da Sociedade de Instrução Musical de Porto Salvo rege-se sob a batuta de Francisco Sequeira.

A mais recente formação artística setubalense tem somado participações nesta época festiva, tendo já actuado com reconhecido êxito em concertos de Natal em Porto Salvo (Oeiras) e Palmela.

Em Setúbal, no princípio do mês, o coro apresentou-se também em concertos no Largo da Misericórdia, no âmbito da iniciativa “Natal na Baixa 2016”, e numa iniciativa da Academia do Bacalhau que teve lugar no Hotel do Sado.

Para a Associação Setúbal Voz, “este é um final de ano elogioso”, tendo em conta que o coro, fundado no segundo trimestre deste ano, já participou em mais de uma dezena de eventos e efemérides, revelando “elevados patamares artísticos” e muito dinamismo.

One comment

  1. O concerto do passado dia 21, na Igreja de Jesus, em Setúbal, foi de altíssimo nível. O Coro Setúbal Voz, o Coro da Sociedade Filarmónica Humanitária de Palmela e a Orquestra da Sociedade de Instrução de Porto Salvo estão de parabéns. Este êxito muito se deve também aos maestros Gisela Sequeira e Francisco Sequeira.

Deixe uma resposta