O XX Congresso do PCP

Opinião
Rogério G. dos Santos

Rogério G. dos Santos

Militante do Partido Comunista Português
Rogério G. dos Santos

Latest posts by Rogério G. dos Santos (see all)

Realizou-se durante estes dias 2, 3 e 4 deste mês, o evento da maior liberdade de expressão no órgão máximo, do mais antigo partido político português.
Partido este, o Partido Comunista Português, que é o meu partido e creio de todos aqueles que o queiram como sendo o seu.
Homens e mulheres deram de si, discutindo, tratando e traçando o caminho daquilo que julgam ser o melhor para o país, para os portugueses e para o mundo.
No entanto ainda muito antes já havia começado este processo, com as milhares de participações daqueles que em consciência quiseram contribuir para a construção do projecto político do PCP.
Assim sinto-me convicto que daqui em diante, sairemos mais reforçados e com mais vontade da que já tínhamos, para continuar a dar o corpo ao manifesto, estando onde seja possível estar, actuando onde seja necessário actuar e influenciando onde seja obrigatório influenciar.
Retenho de tudo aquilo que fui ouvindo e lendo, que foi o PCP que teve o papel de maior destaque e fundamental, no actual quadro político nacional.
Um camarada afirmava no 1º dia que jamais nos poderemos esquecer da noite de 4 de Outubro de 2015.
Foi a prova provada de que vale sempre a pena lutar.
Outro camarada no sábado de manhã, precisava e e reforçava a afirmação do outro camarada do dia anterior, transmitindo que o PCP tem um programa próprio, apoia o PS no quadro parlamentar sempre que se encontram convergências, mas não pôs a sua identidade à venda.
é disto que se trata e não de outra coisa qualquer.
Tantas foram as intervenções quantas as necessárias, para traçar o rumo certo, de forma a fazerem-se espelhar em todas as frentes em que seja necessário promover o bem máximo comum.
E os aplausos foram correspondendo inegavelmente a esse sentimento colectivo.
Sobre aplausos não podia deixar de escrever, aqueles aquando da invocação dos nomes de Álvaro Cunhal e de Fidel Castro.

Não me esquecerei também dos aplausos às intervenções das delegações estrangeiras, em que estas para além do relato das suas acções nos seus países, agradeciam a solidariedade do
PCP e mostravam a sua admiração e estima pelos comunistas portugueses.
É gratificante ouvir tais palavras do género, de que não viramos a cara à luta e servimos de exemplo também para tantos outros cidadãos do mundo.
A propósito do exemplo e por exemplo, já no domingo, um outro camarada ainda, dizia e paço a citar “Aqueles que pensam que estamos condenados ao fracasso e à perda de influência,  podem tirar o cavalinho da chuva que não nos conseguirão derrubar”, fim de citação.
Uma vez eleitos os órgãos do partido para os próximos 4 anos e a recondução do secretário-
geral, mais um passo demos no sentido de tentar extinguir o mito na cabeça daqueles que julgam essas coisas terríveis a nosso respeito.

Termino escrevendo, que o PCP está de boa saúde, recomenda-se e avante que se faz tarde.

Deixe uma resposta