Autoeuropa e Navigator são as maiores empresas de Setúbal

Empresas C

O DIÁRIO DA REGIÃO volta a publicar nesta edição, o ranking das 500 Maiores Empresas do Distrito de Setúbal elaborado pela consultora IGNIOS.

 

Mais uma vez, as empresas mais importantes da região registam uma evolução positiva dos indicadores económicos, com o volume de facturação a subir face aos números registados em 2014.

A Volkswagen Autoeuropa, em Palmela mantém a liderança do ranking das 500 Maiores Empresas do Distrito de Setúbal em 2015, seguida da empresa Navigator Fine Paper, em Setúbal e Infraestruturas de Portugal, em Almada, que recuperou o 3º lugar do raking em relação a 2014. Já a Repsol Polímeros, em Sines perdeu o 3º lugar para a Infraestruturas de Portugal, caindo para a quarta posição da tabela.

Pertença do grupo Volkswagen, a Autoeuropa, em Palmela foi fundada em 1991 e fabrica desde essa altura os conhecidos modelos como a Sharan, Scirocco, entre outros. Situada na Quinta da Marquesa, na Quinta do Anjo, trata-se do maior investimento estrangeiro industrial, em Portugal. A sua produção representava 0,8% do PIB, em 2010, e 10% exportações nacionais. Mais de 800 empresas fornecem a fábrica de Palmela com peças para as várias unidades de produção automóvel.

Os dados indicam que houve um decréscimo do número de empregados da Autoeuropa, de 3.409, em 2014 para 3.386, em 2015. O volume de negócios cresceu com uma pequena margem de 0,25% (de 1 784 mil milhões de euros em 2014 para 1 788 mil milhões, em 2015). O resultado líquido desceu 18,72% (de 34,6 em 2014 para 28,1 em 2015). O valor de exportação registou uma variação negativa de 4,21%, passando de 1,4 mil milhões de euros, em 2014 para 1,3 mil milhões, em 2015. O ano passado apresentou uma taxa de exportação de 76,84%.

Anteriormente designada Grupo Portugal Soporcel, a empresa mudou de nome em Fevereiro deste ano para The Navigator Company. Inserida neste grupo económico, a Navigator Fine Paper foi reconhecida este mês de Novembro como a primeira marca portuguesa com o melhor papel de escritório da Europa. A Navigator conquistou o lugar cimeiro no Brand Equity Index, promovido pela Opticom, responsável pela análise do valor das marcas nos diferentes mercados. A marca foi identificada como a mais reconhecida, a mais vendida e com o maior índice de fidelidade e percepção de qualidade, vencendo todas as categorias do ranking europeu. No “top 5” estão nomes como a Xerox, Lyreco, HP e Staples. Em declarações ao site Marketeer, António Redondo, director comercial da Navigator reconheceu que a menção atribuída “dá motivação para continuar a reforçar a posição de liderança que a marca Navigator ocupa”, contribuindo para “consolidar a confiança” dos consumidores.

No que toca ao ranking da empresa, o número de empregados aumentou dois pontos, de 36, em 2014 para 38, em 2015. Os restantes indicadores também registaram uma evolução positiva, o volume de negócios subiu 6,39%, (de 1 267 mil milhões de euros para 1 348 mil milhões), o resultado líquido cresceu 88,77%, de 20,3 em 2014 para 38,2 em 2015. O valor de exportação registou igualmente uma tendência ascendente (11,06%), de 1,2 mil milhões de euros, em 2014 para 1,3 mil milhões no ano de 2015, sendo a taxa de exportação, em 2015 de 98,45%.

A Infraestruturas de Portugal (IP) é uma empresa pública resultante da fusão entre a Rede Ferroviária Nacional – REFER e a EP – Estradas de Portugal, destinadas a gerir e a administrar as estruturas ferroviárias e rodoviárias portuguesas, respectivamente.

De acordo com os dados, a Infraestruturas de Portugal viu o seu número de empregados crescer na proporção de 51,97%, passando de 2.513, em 2014 para 3.819, em 2015. Na globalidade, o volume de negócios também subiu na ordem dos 1224,96%, de 99 707 mil milhões, em 2014 para 1 321 mil milhões, em 2015. O resultado líquido sofreu uma variação positiva de 114,08%, de menos 89, em 2014 para 13, em 2015.

A actividade petroquímica da Repsol Polímeros desenvolve-se sobretudo em Espanha (Tarragona e Puertollano) e em Portugal (Sines). A empresa fabrica e comercializa uma larga variedade de produtos químicos e os seus produtos são vendidos em mais de 80 países do mundo, mantendo a liderança do sul da Europa e Mercosul. Actualmente é a maior empresa química portuguesa e uma das 10 maiores exportadoras do país. Nos primeiros nove meses de 2016, obteve um lucro líquido de 1 120 mil milhões de euros. As medidas de eficiência e poupança levadas a cabo pela companhia petrolífera, ao longo do ano, permitiram aumentar os seus resultados e potenciar a resiliência perante o actual panorama de preços reduzidos do crude e do gás.

Através da análise do ranking de 2015, constata-se que a Repsol Polímeros, em Sines se viu obrigada a abandonar o 3º lugar do ranking, com os valores a descer significativamente de uma forma geral. Em 2014, a empresa tinha 474 funcionários integrados nos quadros definitivos e em 2015 apenas 444, o que significa que perdeu 30 empregados de um ano para o outro. O volume de negócios desceu 12,71% (de 747 297 mil milhões de euros, em 2014 para 652 338 mil milhões, em 2015). Os valores de exportação permitem reforçar a tendência de queda, com a taxa de exportação a variar negativamente.

No “top 10” do Ranking das 500 Maiores Empresas do Distrito de Setúbal encontram-se ainda a SN Seixal – Siderurgia Nacional a ocupar a 5ª posição e a About The Future – Empresa Produtora de Papel, em Setúbal, em 6º lugar. Depois, em 7º lugar o grupo empresarial The Navigator Company, em 8º a Secil – Companhia Geral de Cal e Cimentos, em 9º a Lusosider – Aços Planos, no Seixal e em 10º, a Refrige – Sociedade Industrial de Refrigerantes, a fábrica da Coca Cola, em Azeitão.

 

Deixe uma resposta